Marcadores

sexta-feira, 8 de abril de 2011

TELEVISORES Electrónica e Esquemas



Televisão Principios de funcionamento, estrutura técnica, Esquemas.
A televisão tem um funcionamento técnico diferente para cada um dos Standard tv actualmente utilizados. Os Sistemas Pal, Ntsc e Secam são os sistemas usados globalmente, com alguns destes sistemas a sofrerem algumas adaptações e derivações locais. 

Televisão Diagrama de Blocos electrónicos

Tubo de Imagem - TRC Tubo de Raios Catódicos - Cinescópio

 Voltagens do cinescópio
Para que tenhamos uma ideia das voltagens dos diferentes pinos de um CRT(Cinescópio ou Tubo de Raios Catódicos) de um televisor a cores, funcionando em condições normais, estas voltagens são exemplificativas, podem variar do desenho de cada chassis marca e modelo, mas são muito próximas dos valores apresentados. O TRC na presença de circuitos de fontes magnéticas externas pode sofrer magnetização da máscara. O funcionamento normal vai reduzindo a capacidade do cinescópio de reproduzir uma imagem correcta, em alguns casos pode-se utilizar um rejuvenescedor cinescópios . Os cinescópios estão neste momento a ser substituídos por écrans(telas) com tecnologia LCD

M.A.T.

a MUITO ALTA TENSÃO, produz-se no transformador de linhas e está ligado ao CRT através de um cabo e uma ventosa (chupeta) a voltagem situa-se entre os 12.000 e os 23.000 Volts.

Filamentos

Os filamentos necessitam de uma voltagem de 6 a 12 volts de corrente alterna, normalmente esta tensão sai de um pino do transformador de linhas. Nos televisores a cores temos 3 filamentos uma para cada cor, a voltagem é igual para cada uma das cores, esta voltagem chega a partir do transformador de linhas através de uma resistência de baixo valor (0,33 – 6 Ohm).

Acelerador G2

Esta voltagem é que regula o brilho do écran, tem origem no transformador de linhas e é regulada através de um potenciómetro. Se enviarmos muita voltagem para o cinescopio colocando o potenciómetro no mínimo, a imagem apresenta um brilho muito elevado com linhas de retorno, se colocarmos pouca tensão a imagem fica escura ou negra.
TENSÃO DE G2: Quanto maior a tensão da G2 maior o brilho, (Se a tensão da G2 for muito alta teremos excesso de MAT e o monitor entrará em protecção desligando-se).
ex: Com uma tensão de 320V teremos uma saída clara, com uma tensão de 150V uma saída escura ou sem brilho.

FocoPinos dos cinescópio, volts

também um pino que liga o CRT e o transformador de linhas, é regulado por um potenciómetro, com este ajuste podemos focar a imagem de modo a conseguirmos uma imagem o mais nítida possível.
Tensão entre 4500V A 6000V.  

Cátodos

Em cada TRC temos três cátodos diferentes,um para cada cor RGB,normalmente deve de haver uma voltagem positiva nos pinos de entrada do trc, as voltagens podem variar dependendo do chassis e marca, as mais normais oscilam entre os 60 volts e os 85 volts. As tensões ente os três cátodos devem ser muito semelhantes se o televisor estiver sem nenhuma avaria, se existirem tensões muito diferentes nos cátodos é porque temos algum problema. Esta Tensão Varia de 60V a 85V dependendo da marca.Eseta tensão é inversamente proporcional ao brilho do ecrân, ou seja, quanto maior a tensão menor o brilho. Um monitor com uma tensão de 110V terá uma sáida escura, com uma tensão de 10V teremos um ecrân completamente branco.

Croma - Crominância

Saída de Côr - Croma

Estrutura básica do Horizontal

Estrutura Básica Horizontal TV
Circuito electrónico de Oscilação e Deflexão Horizontal

Estrutura Básica do Vertical

Estrutura Básica vertical TV
 Circuito electrónico de Oscilação e Deflexão Vertical

Imagem, Som, Recepção 

Os circuitos de imagem têm como função processar os sinais responsáveis pela imagem, cor e som.
Nos modelas mais antigos encontravam-se dentro de 3 ou 4 CIs. Já nos TVs actuais estão todos dentro do CI multi-funções.

Circuitos Imagem, Som


Tuner - Encontra-se numa caixa blindada. Recebe o sinal das emissões na antena em radio frequência, selecciona um canal e transforma em sinais de freqüência intermédia (FI);


1° FI - Amplifica o sinal do selector para o filtro SAW;

SAW - É um filtro de 5 terminais, podendo ser redondo metálico ou retangular de epóxi. Deixa passar os sinais de FI e bloqueia as interferências vindas do seletor;
FI - Esta etapa está no CI e amplifica os sinais de FI do selector;
Detector de vídeo - Recebe o sinal de FI e extrai :
  • Sinal de luminância (Y).
  • Sinal de croma. 
  • Sinal de som.

Trap e filtro de som - São normalmente dois filtros de cerâmica para separar o som do resto do sinal. O trap de som é um filtro cerâmico ligado em paralelo com uma bobina. Fica no caminho do vídeo separando o sinal de som, evitando que este vá para o tubo e interfira na imagem. O filtro de som é um filtro cerâmico sem bobina na entrada do circuito de som. Separa o sinal para os circuitos de som do TV;
Distribuidor de vídeo - Recebe os sinais de luminância e croma e o distribui para os respectivos circuitos. Este transistor não é usado por todos os TVs. Após o distribuidor, o sinal Y é separado do sinal de cor. A separação pode ser feita externamente ao CI Multi-funções ou através de bobines e conmdemsadores ou então dentro do CI;
Circuito de luminância (Y) - Amplifica o sinal Y e o envia para a matriz com as cores. No circuito Y encontraremos a DL (linha de retardo ou atraso) que impede a chegada deste sinal à matriz antes das cores. A DL de luminância pode ser externa ou interna ao CI. Se for externa é uma bobina de três terminais com o meio no terra e encapsulada com cerâmica;
Circuito de cor - Têm basicamente quatro funções:
  • Amplificar os sinais de cor (vermelho R-Y e azul B-Y)
  • Separar estes dois sinais de cor
  • Desmodular os sinais de cor
  • Obter o sinal do verde G-Y. Embora o circuito de cor pareça um tanto complexo, ele está quase todo dentro do CI.
    Do circuito de cor saem três sinais: R-Y (vermelho), G-Y (verde) e B-Y (azul);
Matriz - Mistura cada uma das cores com a luminância, resultando novamente nos sinais RGB que serão amplificados pelos saídas e aplicados nos catodos do cinescópio para produzirem imagem. A matriz pode ser feita dentro CI (TVs modernos) ou nos próprios saídas RGB (TVs antigos). Neste caso, a luminância entra nos emissores e as cores nas bases dos transistores.
RGB  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá amigos; deixem seus comentários ou alguma pergunta relacionada a eletrônica ou informática para jjsound45@hotmail.com.